quarta-feira, abril 17, 2024
HomeTecnologiaZinco: Um mineral essencial

Zinco: Um mineral essencial

O zinco está envolvido em muitos aspectos do metabolismo celular.

O zinco, um mineral essencial para a saúde humana, tem ganhado destaque devido ao seu papel crucial em diversas funções do organismo. Presente naturalmente em alguns alimentos, adicionado a outros e disponível como suplemento alimentar, esse mineral desempenha um papel fundamental na aceleração de centenas de enzimas, aprimoramento da função imunológica, síntese de proteínas e DNA, cicatrização de feridas e sinalização e divisão celular.

Para garantir a ingestão adequada de zinco, é importante conhecer as recomendações estabelecidas pelo Conselho de Alimentação e Nutrição das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina. Essas recomendações, chamadas de Entradas de Referência Alimentar (DRIs), incluem a Ingestão Recomendada (RDA) e a Ingestão Adequada (AI). A RDA representa o nível médio diário de ingestão suficiente para atender às necessidades nutricionais da maioria dos indivíduos saudáveis (97% – 98%), sendo frequentemente utilizado para planejar dietas equilibradas. Já a AI é uma estimativa de ingestão que visa garantir a adequação nutricional, estabelecida quando a evidência é insuficiente para desenvolver uma RDA.

No que diz respeito às fontes alimentares de zinco, destacam-se a carne, peixe, frutos do mar, ostras, ovos, produtos lácteos, feijão, nozes, grãos integrais e cereais matinais fortificados. As ostras são consideradas as maiores fontes de zinco por porção, porém a carne contribui com 20% da ingestão de zinco nos Estados Unidos devido ao seu consumo comum. É importante mencionar que a biodisponibilidade do zinco pode variar de acordo com o alimento, sendo que a presença de fitatos em alimentos à base de plantas pode diminuir a absorção do mineral.

A deficiência de zinco pode ter impactos significativos no funcionamento do organismo, afetando diferentes tecidos e órgãos, como pele, ossos, sistema digestivo, reprodutivo, nervoso central e imunológico. Alguns grupos estão mais propensos a apresentar inadequação de zinco, como pessoas com distúrbios gastrointestinais, que passaram por cirurgia bariátrica, vegetarianos (especialmente veganos), gestantes, lactantes, bebês amamentados exclusivamente, crianças com doença falciforme e pessoas com transtorno de uso de álcool.

O baixo status de zinco é observado em 30% a 50% das pessoas com transtorno de uso de álcool, devido à diminuição da absorção intestinal e aumento da excreção urinária de zinco. Além disso, a restrição alimentar comum nesse grupo contribui para a ingestão inadequada do mineral.

O zinco também tem sido objeto de estudos em relação a diversas doenças e distúrbios. Algumas evidências promissoras sugerem que a suplementação de zinco pode reduzir a duração de resfriados, diminuir a prevalência de pneumonia em crianças, reduzir as taxas de infecções em portadores de HIV, encurtar a duração da diarreia aguda em crianças, retardar a progressão da degeneração macular relacionada à idade e possivelmente auxiliar na regressão do diabetes tipo 2.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 31% da população mundial sofre com deficiência de zinco, com taxas variando de 4% a 73% em diferentes regiões. Além disso, aproximadamente 17,3% da população global corre o risco de ingestão inadequada de zinco.

Diante da importância desse mineral para a saúde, é essencial garantir uma alimentação equilibrada, que contemple fontes adequadas de zinco. Consultar um profissional de saúde pode ajudar a determinar a necessidade individual de suplementação e promover uma saúde ótima.

O zinco desempenha um papel essencial na saúde e pode ser obtido por meio de uma alimentação equilibrada. Segundo as Diretrizes Dietéticas para Americanos, é recomendado seguir um padrão alimentar saudável que inclua uma variedade de vegetais, frutas, grãos integrais, laticínios com baixo teor de gordura, alimentos protéicos como frutos do mar, carnes magras, ovos, legumes, nozes e sementes. Além disso, é importante limitar o consumo de alimentos com alto teor de açúcares, gordura saturada e sódio, bem como evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Essas orientações ajudam a garantir a ingestão adequada de zinco e outros nutrientes essenciais para promover uma saúde ótima.

Para atender às necessidades de zinco, é importante seguir um padrão alimentar saudável, conforme descrito pelas Diretrizes Dietéticas para Americanos e o MyPlate do Departamento de Agricultura dos EUA. Isso envolve incluir uma variedade de alimentos como vegetais, frutas, grãos integrais, laticínios com baixo teor de gordura, frutos do mar, carnes magras, ovos, legumes, nozes e sementes, enquanto se limita o consumo de alimentos com alto teor de açúcares, gordura saturada e sódio, além de evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Seguir essas orientações contribui para atender às necessidades de zinco e outros nutrientes essenciais, promovendo uma saúde ótima.

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments